“Morte”, de W. B. Yeats, trad. Bruno M. Silva

 Nem medo nem esperança assistem
Ao animal moribundo;
O homem aguarda o seu fim
Temendo e esperando tudo;
Muitas vezes ele morreu,
Muitas vezes se ergueu de novo.
Um grande homem  em seu orgulho
Confrontado com assassinos
Julga com desdém
A falta de alento;
Ele conhece a morte até aos ossos –
O homem criou a morte.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s