“Dores de Parto”, de Yosano Akiko (1878-1942), tradução de Bruno M. Silva a partir da versão inglesa de Kenneth Rexroth e Ikuko Atsumi

Hoje estou doente,
doente no meu corpo,
de olhos abertos, emudecida,
estou deitada na cama de parto.

Porque é que eu,
tão acostumada à proximidade da morte,
da dor, do sangue, do grito,
agora tremo incontrolavelmente de temor?

Um jovem e agradável médico tentou reconfortar-me,
e falou sobre a alegria de dar à luz.
Uma vez que eu sei mais do que ele sobre esta matéria,
de que me serve o seu tagarelar?

Conhecimento não é realidade.
A experiência pertence ao passado
Que se calem então os que carecem de urgência
Que os observadores se contentem com observar.

Eu estou sozinha,
perfeitamente, inteiramente, absolutamente entregue a mim mesma,
mordendo os meus lábios, segurando o meu corpo rígido,
servindo um fado inexorável.

Existe apenas uma verdade.
Darei à luz uma criança,
a verdade movendo-se do meu interior para fora.
Nem bom nem mau; real, sem que haja nisto falsidade.

Com as primeiras dores de parto,
subitamente o sol empalidece.
O mundo indiferente fica estranhamente calmo.
Eu estou sozinha.
É sozinha que eu sou.

“entrando no sul”, de Lucille Clifton (1936-2010), trad. Bruno M. Silva

vesti o casaco de minha mãe.
é quente e familiar
como velho pêlo
e posso ouvir vozes sussurrantes
através dele.    demasiados
animais morreram
para que fosse feito.   as mangas
desenrolam-se em direcção às mãos
como cordas.  eu vou usá-lo
porque ela o amou
mas o sangue de que foi criado acumula-se
sobre os meus ombros
pesado escuro e vivo 

“Campo”, de Antonio Machado (1875-1939), trad. Bruno M. Silva

A tarde morre
como uma humilde lareira que se apaga.
  
Ali, sobre os montes,
restam apenas algumas brasas.
  
E aquela árvore sobre o caminho branco, quebrada,
faz-te chorar de piedade.
  
Dois ramos no tronco desfeito, e uma
folha, gasta e negra, em cada ramo!
  
Choras?... Entre os álamos de ouro,
distante, a sombra do amor espera por ti. 

“a morte de thelma sayles”, de Lucille Clifton (1936-2010), tradução de Bruno M. Silva

não deixo vestígios para que os meus amores vivos
não me possam seguir. junto ao rio
a maioria volta para trás, as suas almas tremem,
mas a minha menina fica sozinha na margem
e olha. arranco o meu coração do bolso
e atiro-o. sorrio ao vê-la apanhar tudo
o que alguma vez irá apanhar e voltar para casa
e para os seus filhos. a maternidade
tornou-o forte, sussurro ao seu ouvido
por entre as folhas. 

“confissão”, de Lucille Clifton (1936-2010), tradução de Bruno M. Silva

 pai 
 não sou semelhante à fé necessária.
 eu duvido.
 tenho as certezas de uma mulher;
 corpos são-me arrancados,
 empurrados para dentro de mim.
 osso e carne é o que conheço.
  
 pai
 os anjos dizem que não têm asas.
 acordei uma manhã
 sentindo como os poderia ver.
 podia distinguir as suas sombras
 na sombra. eu não sou
 semelhante à fé necessária.
  
 pai 
 vejo a tua mãe hirta
 sem ombros sem sapatos a teu lado.
 ouço-a sussurrar-te verdades que eu não posso conhecer.
 pai eu duvido.
  
 pai 
 quais são as verdadeiras certezas?
 a tua mãe fala de amor.
  
 os anjos dizem que não têm asas.
 não sou semelhante à fé necessária.
 procuro fugir de tão surpreendente presença;
 os anjos correm diante de mim
 como uma tocha. 

Dois poemas de Fujiwara no Ietaka (1158-1237), tradução de Bruno M. Silva a partir da versão inglesa de Steven D. Carter

Ainda agora o ano
começou a florir.
Como pode ser, então,
que destas laranjas se desprenda
um aroma tão antigo?
  
*
  
Todas as coisas encontram o seu fim –
e então o dia procura amanhecer
com os sinos da manhã.
Mas a longa noite persiste
com a lua ainda no céu. 

“Cisnes Selvagens”, de Edna St. Vincent Millay (1892-1950), trad. Bruno M. Silva

Olhei o meu coração enquanto os cisnes selvagens sobrevoavam.
E o que vi que ainda não vira antes?
Apenas uma questão a menos ou a mais;
Nada que coincidisse com o voo de aves selvagens.
Coração fatigado, vivendo e morrendo sempre,
Casa sem ar, eu abandono-te e tranco a tua porta.
Cisnes selvagens, atravessem a cidade, atravessem
A cidade de novo, arrastando as pernas e bramindo. 

“Lamento”, de Edna St. Vincent Millay (1892-1950), trad. Bruno M. Silva

Ouçam, filhos: 
O vosso pai está morto.
Dos seus velhos casacos
Farei casaquinhos para vocês;
Farei das suas velhas calças
Calças mais pequenas.
Nos seus bolsos estarão
Coisas que costumava guardar,
Chaves e moedas
Cobertas de tabaco;
O Dan ficará com as moedas
Para guardar no banco;
A Anne ficará com as chaves
Para fazer um belo som com elas.
A vida deve continuar,
E os mortos serem esquecidos;
A vida deve continuar,
Embora bons homens morram;
Anne, come o teu pequeno-almoço;
Dan, toma o remédio;
A vida deve continuar;
Às vezes esqueço porquê.